Doença do Refluxo Gastro Esofágico

Definição

doença crônica caracterizada pelo retorno de parte do conteúdo do estômago para o esôfago. O refluxo gastro esofágico pode causar vários sintomas no esôfago e fora dele, e também inflamação da mucosa desse órgão, conhecida como esofagite.

O que é a esofagite?

Esofagite é a inflamação da mucosa (revestimento) do esôfago, sua principal causa é a doença do refluxo gastro esofágico. Ela pode ser leve, apenas com inflamação do órgão ou mais grave com feridas (erosões) associadas.

Sintomas

pirose (azia e queimação), regurgitação (retorno do alimento), sensação de “bola na garganta” e sintomas extra esofágicos, como: tosse e inflamação da garganta.

Causas

Entre o esôfago e o estômago existe o esfíncter inferior do esôfago, que funciona como uma válvula que impede o ácido do estômago de voltar para o esôfago. Normalmente essa válvula só abre quando estamos nos alimentando. Nas pessoas com doença do refluxo, essa válvula pode ter uma pressão menor que a de costume e ficar um pouco aberta ou ela pode abrir fora de hora, permitindo que ocorra a volta do conteúdo do estômago para o esôfago de forma patológica.

Exames complementares para diagnóstico de DRGE:
  • Endoscopia digestiva alta: é possível visualizar a mucosa do esôfago e avaliar a presença de inflamação (esofagite) causada pelo refluxo vindo do estômago.
  • EED (rx de esôfago, estômago e duoedeno contrastados): não é muito útil no diagnóstico da DRGE em si, mas pode ajudar a avaliar alterações morfológicas (da forma) do esôfago que contribuem para o refluxo, como a hérnia do hiato esofágico.
  • phmetria de 24 hs: é o exame padrão ouro para o diagnóstico da DRGE. Nele o ph do esôfago é medido durante 24 hs por meio de uma sonda. Assim, comparamos se existe episódias de ph ácido (menor que 4) nos horários em que o paciente apresenta sintomas.

Obs: vale ressaltar que na maioria das vezes o diagnóstico da DRGE é clínico, quando os sinais e sintomas dos pacientes são típicos. Uma endoscopia normal não descarta a DRGE. Utilizamos a phmetria 24hs apenas em casos de dúvida no diagnóstico.

Obs: vale ressaltar que na maioria das vezes o diagnóstico da DRGE é clínico, quando os sinais e sintomas dos pacientes são típicos. Uma endoscopia normal não descarta a DRGE. Utilizamos a phmetria 24hs apenas em casos de dúvida no diagnóstico.

Complicações:
  • Esofagite erosiva: inflamação do esôfago com pequenas feridas
  • Esôfago de Barret: inflamação mais intensa, que leva a modificação das células do esôfago. Pode evoluir para lesões pré-malignas (com maior chance de se tornar um câncer de esôfago).
  • Estenose de esôfago: diminuição do calibre do esôfago, causada pela inflamação e fibrose (cicatriz) causada pelo refluxo.
Tratamento

Existe o tratamento clínico que é o mais usado e o cirúrgico que fica reservado para casos específicos.

Clínico
  • Mudanças nos hábitos de vida: evitar bebidas com caféína, bebidas alcoólicas, alimentos gordurosos, condimentos, chocolate. Suspender o tabagismo e, se for o caso, perda de peso. Evitar refeiões copiosas a noite, esperar de uma a duas horar para deitar após se alimentar. Levantar a cabeceira da cama se necessário.
  • Medicações que diminuem a produção de ácido pelo estômago: omeprazol, pantoprazol, lanzoprazol, esomeprazol, rabeprazol, dexlanzoprazol.
  • Medicações que ajudam a clarear o ácido do esôfago (pró cinéticos): bromoprida e domperidona.
  • Medicações que melhoram os sintomas de azia e queimação: anti ácidos (hidróxido de alumínio e magnésio).
Cirúrgico

Fundoplicatura (cirurgia que “aperta” a válvula que existe entre o esôfago e estômago, diminuindo assim o refluxo). Hoje em dia, essa cirurgia é feita por laparoscopia, o problema é que apresenta uma grande taxa de recidiva (muitos pacientes meses depois da cirurgia voltam a ter sintomas de DRGE e a precisarem de medicação). Bem indicada para pacientes jovens, que respondem a medicação, mas não conseguem ficar sem ela. Serve como opção para pacientes refratários ao tratamento clínico, mas nem sempre com sucesso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp